Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar Perspectiva Reduzir a Migração de Jovens para as Cidades através de Incubação na Produção Intensiva e Agro-Negócio Versão para impressão

img_9463Esta posição foi defendida pelo Secretário Permanente do MASA, Dr. Ilídio Miguel em representação do Ministro da Agricultura e Segurança Alimentar, no encontro que esta instituição manteve com as ONG´s na passadea Quinta-Feira, 20 de Agosto, na apresentação dos instrumentos de planificação e estabelecimento de mecanismos de alinhamento e coordenação das actividades agrárias.

Segundo o Secretário Permanente, a contribuição das ONG´s tem sido testemunhada pelasa equipas do MASA nos trabalhos que tem realizado nas zonas rurais onde tem se verificado que os parceiros de cooperação estão a implementar projectos em diferentes áreas como na provisão de sementes e outros insumos, produção de cereais e horticolas, assim como no fomento pecuário. Referiu ainda, que tendo em conta a nova estrutura do Ministério, que o alinhamento com estas ONG`s irá concorrer para o alcance dos objectivos de desenvolvimento da agricultura em Moçambique.

Ilídio Miguel destacou ainda que o sector tem estado a registar avanços na área de segurança alimentar e nutricional através da redução da desnutrição crónica facto que foi testemunhado pelo prémio que Moçambique arrecadou da FAO recentemente em Roma, Itália, tendo ainda referido que o MASA realiza anualmente cerimónias de lançamento da campanha agrária com a liderança de Sua Excelência Presidente da República com réplicas em todas as províncias no qual, são destacados os melhores actores do sector agrário que se evidenciaram numa campanha agrária.

Neste encontro o MASA apresentou as linhas estratégicas de actuação do MASA, tendo destacado que a abordagem de desenvolvimento é baseado nas cadeias de valor e parcerias públimg_9484ico privadas e ainda com as pprodutos strategicosopulações, com um grande objectivo de garantir a soberania alimentar do povo, cuja a visão é de um sector agrário competitivo, próspero e sustentável capaz de oferecer respostas aos desafios de segurança alimentar e nutricional e acesso aos mercados rurais.

Numa apresentação proferida pelo Director de Planificação e Cooperação Internacional, Dr. Raimundo Matule, destacou como ponto de partida alguns constrangimentos com que o sector se debate, nomeadamente o baixo uso de insumos melhorados, como também a limitada disponibilidade de serviços de pesquisa, assistência técnica e serviços básicos de apoio a produção, fraca rede de transporte e inadequado financiamento ao sector agrário, acesso ao mercado e agroprocessamento só para citar alguns.

referiu ainda, que o sector continua com níveis elevados de perda pós-colheita e também o efeito das mudanças climáticas cíclicas por catástrofes naturais e as questões ligadas a gestão de recursos naturais em particular a terra, água e floresta.

Entretanto o MASA, definiu uma estratégia de desenvolvimento do sector através dos corredores de desenvolvimento em número de seis (6) e que em cada um deles foram identificados produtos estratégicos em que Moçambique já é competitivo ou que rapidamente pode ser competitivo, olhando para a actuação no terreno e a provisão de infraestruturas e os mercados para aferir estes corredores e produtos.

(Continua)