Programa Nacional de Investimento do Sector Agrário Mobiliza Recursos em Equipamentos Diversos do Governo Brasileiro Versão para impressão

nmaa05Setina Titosse, PCA do Fundo de Desenvolvimento Agrário referiu que, no âmbito do Programa Nacional de Investimento do Sector Agrário - PNISA foram mobilizados recursos com o Governo Brasileiro avaliados em cerca de 3.318.338.290,00Mt em equipamentos diversos incluindo a assistencia técnica. Do montante acima referido será desembolsado em três tranches de valor por um período de vigência de 15 anos cujo período de diferimento deve acontecer dentro de cinco anos a taxa de juros 0,5% ano, durante a apresentação do Programa Nacional de Mecanização, no Município da Namaacha, Província de Maputo.

Em termos de compromissos assumidos entre os Governos de Moçambique e do Brasil o processo de montagem, revisão dos equipamentos e entrega técnica poderá acontecer em território nacional assim como a entrega dos kits  de reposição de peças de maior desgaste durante o período de garantia. No entanto a capacitação e treinamento de maquinistas, mecânicos será feita em Moçambique e no Brasil, como também foram assumidos compromissos de prestação de serviços pós-venda (assistência técnica e venda de peças e acessórios).

 

Programa Nacional de Mecanização

Mecanismos de Operacionalização de Parques de Máquinas

 

 

Os locais com potencialidades já indenfificadas compreendem o corredor de Maputonmaa04

Província do Maputo envolvendo os distritos de Boane, Moamba, Namaacha e Manhiça; corredor do Limpopo na Província de Gaza envolvendo os distritos deMassingir, Chókwe,  Guijá, Chibuto, Xai-xai e  Bilene) e na Província de Inhambane, os distritos de Guvuro, Morrumbene, Inharrime, Massinga e Vilanculos). Na Zona Centro foi identificado o respectivo corredo da Beira nos distritos de Gorongosa, Nhamatanda, Buzi e Caia, na província de Sofala e Sussundenga, Manica, Barué, Gondola e Manica na Província de Manica. No Corredor vale do Zambeze foram identificados os distritos de Angonia, Chiuta, Maravia, Tsangano e Macanga na Província de Tete; Milange, Gurue, Alto Moloque, Gilé, Ile, Maganja da Costa, e Namacurra na Província da Zambézia.

Corredor de Nacala constam os distritos de Meconta, Malema e Ribaué na Província de Nampula e por último o Corredor Pemba-Lichinga que vai contemplar os distritos de Nangade, Muedumbi, Montepuez, Pemba de Cabo Delgado; e Cuamba, Marrupa, Lichinga, Mandimba, na Província de Niassa.

Sublinhou ainda que nos potenciais locais para estabelecimentos de Centros de Prestação de Serviços e ainda deverão ser tomadas em consideração as várias instalações ociosas pertencentes ao Estado para o seu integral aproveitamento. Por outro lado, os gestores de CPSs irão passar por um processo de Incubação de Empresário Agrário que consiste na reciclagem, capacitação e treinamento em boas práticas do agro-negócio com fortes componentes de gestão administrativa e financeira.

A comparticipação no investimento por parte dos gestores dos centros, irá variar de 2,5%  para classe A , 5% para a classe B e 10% para classe C, do valor total do investimento no CPS ou Unidade de Negócio para entidades colectivas e singulares sendo que a amortização do valor remanescente será acrescido por uma taxa de juro que varia de 5 a 10% a.a, com um período de vigência que varia de 5 a 10 anos em função das especificidades de unidades de negócio. O período de deferimento será de 12 meses.

Os gestores dos centros para fazerem parte do processo devem possuir conhecimentos básicos de gestão administrativa e financeira, vantagens com experiência comprovada em gestão do agronegócio. Deverá ter uma conta bancária e aceitar que seja feita uma Inspecção/Auditoria das contas, sempre que for necessário e por último poderá  aceitar a celebração do contrato com instituições financeiras  para mobilização de crédito e/ou outras transacções.

Para que no final da jornada a renda dos produtoes tenha aumentado, e a Produção e Produtividade Agrárias através do uso da mecanização seja uma realidade no País. É necessário garantida a complementaridade entre o Programa Nacional de Mecanização Agrária e outras iniciativas para o desevolvimento da cadeia de valor;

A transferidas tecnologias de produção agrária; garantida assistência técnica a vários níveis;

Formados operadores de maquinas, técnicos e produtores; áreas de produção expandidas;

e criados mais postos de trabalho; por último a disponibilizados alimentos a preços competitivos, garantida a segurança alimentar e nutricional e, reduzidas as importações.